Acesse nossos canais nas redes sociais para receber nossas atualizações e conteúdos diversos

  • Facebook - Black Circle
  • YouTube - Black Circle

Sobre o MUTABIS

O Mutabis nasce da intenção de presentificar a psicanálise na cidade, promover circulação de discursos e construir redes

Esboçamos o que somos partindo de nossa experiência como psicanalistas em instituições públicas, passando pelo percurso acadêmico e, por fim, sustentando nossa presença regular na Praça Roosevelt (no centro de São Paulo), para ofertar um espaço de estudo a respeito da psicanálise. Nesse trajeto, fica clara uma forma de pensar a psicanálise que não é distante de uma invenção do que pode ser o “público”. E isso no contexto atual: um cenário nacional e global que, infelizmente, está cada vez mais identificado com a junção entre o neoliberalismo e o fascismo – ideologias tenebrosas, que espantosamente parecem estar naturalizadas num discurso corrente.

Dessa forma, procuramos subverter a experiência que acumulamos anteriormente ministrando cursos particulares, que, embora feitos com valores muito acessíveis, nos colocava diante de horizontes que hoje sabemos ser bem menos interessantes que os atuais: pensar a formação e transmissão em psicanálise perpassados desde o início pela invenção e disputa do que seria o “público”. Mesmo que em um contexto, em uma cidade, em que até as praças estão sob a vigilância “privada”, de olhares segregacionistas e pouco inclusivos. Descargas nessa privada!

O trabalho de sustentação de um espaço de estudos na Praça Roosevelt, juntamente com a clínica do coletivo “Psicanálise na Praça Roosevelt”, vem nos dando um entusiasmo inventivo do que seria uma outra forma de vislumbrar horizontes para sustentar a ética psicanalítica. Esta, para nós, é uma forma de manter o respeito pelas singularidades, tendo como alicerce a renúncia à dominação das diferenças e do outro. Vemos ampla potência em fazer vigorar essa ética na divulgação e na sustentação de um trabalho que se dá na praça, tendo em vista expandir essa forma de atuação, aprimorando-a no sentido de pensar o que pode ser uma formação em psicanálise hoje, em meio às contradições e dificuldades inerentes a um cenário político e social amplamente reacionário e conservador.