Estudos na praça

A atuação como psicanalista é inevitavelmente geradora de questões e impasses, seja no consultório, nas instituições públicas ou privadas, seja na praça. O que seria possível praticar, daquilo que a psicanálise nos provoca, em meio ao trabalho cotidiano, institucional, e que extrapola as condições "previstas" na formação? O que se faz enquanto psicanalista nos serviços do SUS, SUAS, no campo da educação, ou no espaço público? Como criar possibilidades de atuação para além das condições tradicionais da prática clínica em consultório? Sustentar a condição ética e a consequência política da psicanálise no fazer institucional, ou no espaço público, além de não ser tarefa simples, impõe um repensar constante das práticas – o que torna-se ainda mais significativo hoje, tendo em vista os impasses de nosso tempo histórico. É isso que nos leva a querer promover espaços em que circulem as experiências e reflexões a esse respeito, tanto por nós quanto por possíveis interessades nessa iniciativa. Esse é o nosso desejo e a nossa aposta. 

Atualmente, essa aposta nesse tipo de iniciativa se mantém online, devido à pandemia. Por um lado, isso implicou em uma perda importante no modo de nossas ações, afinal não podemos mais ocupar literalmente o espaço público e marcar a força da presença. Mas, também nos trouxe a possibilidade de suscitar encontros formativos através do espaço híbrido, baseado na presença virtual, bem como expandir os horizontes dos modos possíveis de se efetivar a formação em psicanálise.